• 1.png
  • 3.png
  • 4.png
  • 5.png
  • 6.png
  • 7.png
  • 8.png
  • pe2.png



Equipe Diocese São Luíz


Pe. Hilário Mendes Ribeiro




Ordena??o Diaconal: 1990-12-30
Ordena??o Sacerdotal: 1991-04-06
E-Mail: saojoaobatista@diocesedecaceres.com.br
Idade:60anos
Endereço: Av; Brasil, s/n Centro - Curvelândia/MT - 78237-000
Telefone: (65)
Paróquia: Paróquia São João Batista, Curvelândia - Pe. Hilário Mendes Ribeiro





BIOGRAFIA



Nasci no dia 08 de Setembro de 1959, na cidade de Pintadas, localizada ao Norte da Bahia, próximo a Salvador. Filho de João Mendes Ribeiro e Elvira de Almeida, somos nove irmãos, sendo eu, o quinto filho dessa família. Meus pais são piedosamente religiosos e dedicados à vida de comunidade, por isso aprendi as coisas de Deus com muito amor.



Quando criança dedicava a vida para a Igreja. Aos dez anos me tornei coroinha e participava da cruzadinha, sempre incentivado, apoiado  e orientado pelo Pe. Celso Duca, pároco da cidade de Vinhático do Espírito Santo, onde morei por muito tempo. Com o Pe. Celso  aprendi a vivenciar o meu itinerário de vida vocacional. Entrei no Seminário de Vida Religiosa dos Combonianos em 1975, na cidade de Ibiraçu, no Estado do Espírito Santo. Durante esse  período passei por vários momentos de discernimento na busca vocacional. Nesse percurso de discernimento, iniciei a grande caminhada no Seminário Maior na Diocese de São Luiz de Cáceres.



Cursei Filosofia na cidade de Apucarana-PR entre os anos de 1984 a 1986 e depois também cursei Teologia na cidade de Campo Grande-MS, no período de 1987 a 1990. No dia 03 de dezembro de 1990, fui ordenado para exercer o ministério do Diaconato e em 06 de abril de 1991, tendo como ordenante o bispo Dom Máximo Biennés, aconteceu a minha Ordenação Sacerdotal, juntamente com a do Pe. José Maria Basílio, na cidade de Araputanga-MT. Desde esse dia carreguei comigo a presença do Senhor. Diante do Seu apelo e da minha decisão em aceitar o Seu chamado, fiquei nesta escuta: “Estarei contigo até o fim dos séculos.” Dentro dessa proposta, no início da minha missão, enfrentei muitos desafios e momentos difíceis, mas não me esqueci da proposta que carreguei dentro de mim. A primeira missão foi ser Pároco na cidade de Figueirópolis, na Paróquia São José. Foi uma prova de grande valia, pois organizei com o povo de Deus os trabalhos e atividades Pastorais. A Diocese tinha muitos desafios nos Movimentos e Pastorais. Enquanto estava em Figueirópolis com os encargos na Diocese na Pastoral Vocacional e nas Ceb's, fiz parte também do Conselho dos Consutores por 05 anos. Percebi o quanto o Senhor me ajudou e quantos desafios enfrentamos.  O que me entusiasmou nesta grande missão foi a vontade de ajudar as pessoas a se encontrarem e, ao mesmo tempo, não deixar as coisas de qualquer jeito. Nos trabalhos diocesanos, que foram bençãos, o mais importante foi perceber a mão de Deus sobre mim e me sentir seduzido pelo Senhor.  



Em 1997 iniciei um novo trabalho no Seminário Bom Pastor até o ano de 1999. Nesta grande caminhada me dediquei por 03 anos aos Seminários e aos 29 seminaristas, hoje um grupo deles já é padre. Descobri valores importantes trabalhando com os jovens, e ajudando-os a descobrirem a vocação. É muito bom trabalhar neste campo vocacional e se colocar à disposição de Jesus, onde a Igreja precisa desses valores a serviço do Mestre. Olhando em volta da messe, quantas coisas é preciso trabalhar na pessoa humana, não é apenas ser padre e nem ser seminarista, mas é ver a pessoa no seu todo. Refletir sobre para aonde você vai, qual a finalidade do teu ser pessoa.



Descobri, nesse tempo, que é preciso ter muito amor, paciência e caridade. Baseados nesses elementos, nós que somos formadores, devemos criar uma consciência clara diante da palavra de Deus e ter uma nova visão da pessoa de Deus dentro de nós. Neste mesmo contexto, lamento, às vezes, a nossa posição diante do vocacionado, que é ser igual a nós, e às vezes nos colocamos melhores do que eles. Diante deste lamento, consegui obter uma resposta: é preciso calcular o caminho de Deus para conseguirmos abrir estrada para as pessoas. Nesses anos também me dediquei à Pastoral Vocacional e, com os seminaristas, desenvolvíamos o trabalho de visita às Paróquias com o objetivo de trazer outros jovens para o Seminário. Foram anos de graça, pois a nossa vida só tem sentido quando cada um se coloca disponível ao Reino de Deus.



Dediquei-me também às Pastorais  Diocesana da Catequese e as Ceb's. Nas atividades realizadas,  constatei que o que amarra um povo dentro do Projeto de Deus é a Cebs-Comunidade Eclesial de Base. É nelas que encontramos subsídio especial para a Igreja, onde ela se encontra envolvida na missão.  Ser missionário é procurar adentrar na realidade onde o povo vive de fato a sua vida. Por isso, o meu grande esforço é de estar inserido na Evangelização, sempre olhando os detalhes da missão e as dimensões para que as Pastorais se tornem um conjunto da missão. A Igreja precisa sempre rever e avaliar este compromisso do Projeto de Deus.



No ano de 2000, dediquei-me ao Seminário Maior com o pedido do Senhor Bispo Dom José, em Cuiabá. Foi um ano de graça. No início muitas dificuldades apareceram, foi um ano de luta e esperança. Éramos em 12 seminaristas na Filosofia e com muita dedicação e  a graça de Deus tudo se completou. O mais importante do trabalho é você colocar uma dose de amor.



Nos anos de 2001 a 2010, minha dedicação foi à vida paroquial, sendo Pároco em Vila Bela da Santíssima Trindade,  uma pároquia de fronteira com muitos desafios e muita esperança para caminhar.  No início o trabalho não foi fácil, tive medo e a impressão que o mundo queria desabar, mas junto com o povo de Deus e a Sua graça, o trabalho foi se ajustando, tendo à frente a equipe formada por mim, Pe. Hilário, Irmã Tereza, Irmã Darci juntamente com a Congregação das irmãs Catequistas Franciscanas. Foram 09 anos e 10 meses de muitas conquistas e organizações, com 48 comunidades, sendo 36 comunidades na fronteira com os nossos irmãos chiquitanos. Essas comunidades não tinham capelas, porém com trabalhos, reuniões e encontros diocesanos, nós fizemos o Projeto ir à frente. Tivemos um resultado positivo: organizamos a vida da Pároquia, todos as Pastorais ficaram ativas, com a ajuda das Irmãs que se dedicaram ao projeto; foram feitas reformas e ampliações importantes na vida Paroquial com o apoio dos Bispos Dom José e Dom Vilar; as Pastorais ficaram estruturadas: o povo de Deus tomou consciência do compromisso deles. Essa tomada de consciência, teve a ajuda das irmãs da Congregração ali presente  e dos leigos e leigas. A Pastoral da Criança ficou bem estruturada com a sede própria. No dia 12 de fevereiro de 2010, entreguei  esta Paróquia ao Pe. Haroldo com sua Congregação.



No dia 01 de julho de 2011, iniciei um novo trabalho na Paróquia Santa Cruz em Barra do Bugres/MT,  juntamente com o Pe. Benedito e o



Pe. José da Silva. Estou aqui há 02 anos. Além dos  trabalhos com as Pastorais e da vida das Comunidades, me dedico também à Pastoral Carcerária e da Sobriedade, tentando resgatar as pessoas que estão perdidas. É esse o objetivo de Jesus: Segui-lo e viver aquilo que ele viveu, dedicou  e se colocou na prática. Hoje o meu esforço de cristão batizado é passar por aquilo que o Senhor passou e viveu. É isto que nos diz a Palavra de Deus e o restante muitas vezes  são as nossas construções.



Seguir Jesus, no meu ponto de vista,  é viver o amor, compreender o irmão, viver o sacerdócio - não apenas terminar a Teologia, ser ordenado e nem tomar conta de um lugar. Viver o sacerdócio é respeitar o irmão que vive com você na Casa Paroquial, na Comunidade onde você atua e também olhar a realidade do dia a dia.  



 Finalizando agradeço à minha famíia: meu pai, mãe e meus irmãos que até hoje continuam comigo dando suporte na minha missão. Agradeço de coração aos companheiros Sacerdotes, aos Bispos que passaram nesta Diocese e continuam hoje com a presença de Dom Vilar. Muito obrigado por tudo.