• 1.png
  • 3.png
  • 4.png
  • 5.png
  • 6.png
  • 7.png
  • 8.png
  • pe2.png



Equipe Diocese São Luíz


Pe. Marcos Antônio de Campos Silva




Ordena??o Diaconal: 2004-02-08
Ordena??o Sacerdotal: 2004-07-24
E-Mail: sstrindadecac@diocesedecaceres.com.br
Idade:42anos
Endereço: Rua das Magnólia s/n - Jd. Pe. Paulo Cx. Postal 101 - Cáceres/MT - 78.200-000
Telefone: (65) 3223-3898
Paróquia: Paróquia Santíssima Trindade - Cáceres





BIOGRAFIA



Sou Pe. Marcos Antônio de Campos Silva, nascido aos 18 de maio de 1977, na cidade de Cuiabá, MT. Filho de João Liberato da Silva e de Eloírce Ezídia de Campos Silva. Sou o filho mais velho de quatro irmãos: Mauro, Rosângela e Marcondes.



Até os 10 anos de idade, morávamos na fazenda Rosadinho onde iniciei os estudos primários, vindo a concluí-los na cidade de Nossa Senhora do Livramento-MT. Foi nesta cidade que passei grande parte da vida, cursei todo ensino médio até concluir o antigo segundo grau, cursando o magistério.



No ano de 1993 meu pai faleceu e, eu como filho mais velho, apenas com 15 anos de idade, me senti na responsabilidade de ajudar minha mãe nos cuidados de meus irmãos mais novos. Então vendia churrasquinho e cachorro quente nas noites de sábados. Via sempre meus colegas se divertindo enquanto eu trabalhava. Mas isso não me desanimou, pelo contrário, sentia mais força e vontade de estudar.



Estava na flor da adolescência e confesso um pouco confuso, concluindo o segundo grau! Um belo dia fui convidado por meu tio (irmão do meu pai) para ser padrinho de batismo do meu primo. Aceitei, mas o batizado iria ser numa fazenda distante de Livramento, era preciso eu tomar um ônibus e caminhar mais 15 quilômetros a pé. E, para minha surpresa na sala de aula a professora que também era minha catequista (Adélia) perguntou se eu poderia fazer companhia para o Padre (Antenor Petini), para ensinar o caminho até à fazenda onde estava previsto o batizado. Obviamente que aceitei e fui juntamente com o Padre. Tudo correu bem, e na volta o Padre fez várias perguntas e dentre uma delas era, se eu nunca havia pensado em ser padre. Respondi que sim, mas quando era criança. Então me disse que haveria um encontro em Cáceres-MT para vocacionados e, se eu quisesse ir, ele assumiria os gastos e que era sem compromisso. Fui, participei e um acontecimento me chamou a atenção. Num certo momento, o Bispo (Dom Paulo Antônio de Conto) reuniu apenas 5 jovens, dentre tantos outros numa salinha e disse que nós éramos os escolhidos. Aquilo fez a diferença, a partir daquele momento eu acreditei. Cheguei em casa e disse para minha mãe que queria ser padre. Então, ela surpresa me disse: de onde você tirou essa ideia? No começo não gostou muito, mas depois foi a pessoa que mais me deu forças e que ainda hoje me ajuda muito.



Ingressei no Seminário Menor Bom Pastor, em Cáceres-MT para adaptação – no ano de 1996, onde o Padre Flávio Luciano era o Reitor. Depois, no ano seguinte, fui para Apucarana-PR no Seminário Maior de



Filosofia: Instituto Filosófico de Apucarana – IFA. Pe. Alberto Martins (Albertinho) era o Reitor deste Seminário. Conclui os estudos filosóficos no ano de 1999 e em 2000 iniciei os estudos teológicos no Seminário Maior Maria Mãe da Igreja em Campo Grande-MS. Neste Seminário tive dois reitores: Pe. Bento Moreira (Diocese de Corumbá) e ao final o Pe. Solemário (Arquidiocese de Campo Grande). Conclui no ano de 2003 e no dia 08 de fevereiro de 2004 fui ordenado Diácono na cidade de Reserva do Cabaçal por Dom José Vieira de Lima. Em 24 de julho do mesmo ano fui ordenado Padre pelo mesmo Bispo. Sou o primeiro Padre do Seminário Menor Bom Pastor de Cáceres-MT.



Como Diácono, trabalhei no SEDAC (Studium Eclesiástico Dom Aquino Corrêa) na informatização da biblioteca, durante a semana e, aos finais de semana, ajudava na minha paróquia natal, Nossa Senhora do Livramento-MT. No ano de 2005 fui designado pelo Bispo para ser Vigário na paroquial de São José dos Quatro Marcos-MT e Administrador paroquial na Paróquia Bom Jesus, em Reserva do Cabaçal-MT. No ano de 2006, fui fazer uma experiência diferente, trabalhar com os Militares como Capelão Militar.



Entrei nas fileiras do Exército Brasileiro, no dia 28 de fevereiro de 2006, como Aspirante a Oficial na 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada em Dourados-MS. Além do trabalho militar, no Exército, auxiliei na Diocese de Dourados como Vigário Paroquial na Paróquia Bom Jesus, com assistência à Paróquia São Carlos e administrava a Comunidade São Paulo Apóstolo (Hoje  Paróquia). Nesta comunidade pude, com alegria, administrar a construção da Igreja, que comporta mais ou menos 600 pessoas sentadas e também o apartamento paroquial. No ano de 2007 e 2008, assumi como responsável, o Movimento Equipes de Nossa Senhora (eram 150 famílias); e concomitantemente, diretor espiritual do Seminário Menor de Dourados, onde morava com 15 jovens vocacionados. No ano de 2009 fui transferido para a 13ª Brigada de Infantaria Motorizada em Cuiabá-MT. Aqui, presto ajuda à Paróquia Nossa Senhora do Livramento-MT e atendo a Paróquia Militar que chamamos de Capelania, situada na Vila Militar na Avenida Miguel Sutil. No ano de 2012 fui convocado pelo Chefe do SAREX (Serviço de Assistência Religiosa do Exército) para compor o BRABAT-1/17 (Batalhão Brasileiro – 17º Contingente) na Força de Paz no Haiti –



MINUSTAH (United Nations Stabilization Mission in Haiti - Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti). Fiz o treinamento na cidade de Natal-RN durante dois meses e no dia 07 de dezembro de 2012 estava desembarcando em Port-au-Prince, Haiti. Onde fiquei até o dia 05 de Julho de 2013.



Retornei novamente para 13ª Brigada de Infantaria Motorizada, em Cuiabá. Aqui, neste momento estamos trabalhando no projeto de uma nova Capela a ser construída na Vila Militar.



Lema de Ordenação: “Este é meu Filho amado, escutaio”(Mc 9,7b). Se Deus já nos disse “Este é meu Filho amado, escutaio” porque ouvir outra verdade?



A maior necessidade no mundo de hoje é ouvir Jesus, não apenas com os ouvidos, mas com o coração. Isto quer dizer, ouvir e praticar seus ensinamentos. Falta tempo, coragem, prioridade – o homem moderno ocupa-se com tudo em sua vida, menos Deus, por isso não sobra tempo para o autor da vida. Falta coragem para testemunhar Jesus na prática da vida; o medo de tomar decisões e não ser mais aceito no grupo – medo da experiência do abandono. E por fim, hoje se prioriza o material, o que pertence ao 'mundo' em detrimento do espiritual, sem se dar conta de que tudo isto permanecerá no mundo.



É nossa obrigação escutar e praticar o que Jesus nos manda. Só assim haverá uma solução para a triste situação vivida em nossos dias. Mas, como o ouviremos se não podemos vê-lo, tocá-lo, nem mesmo audivelmente contatar com Ele? Esta é uma maneira deficiente, limitada, míope, de olhar para Jesus no presente. Jesus é Deus oniciente e onipotente, logo, tudo sabe, tudo ouve e tudo pode, estando em todo o lugar para nos ouvir.



 Talvez pudéssemos resumir a causa de tantas desgraças na humanidade, com uma frase: a falta de Deus no coração das pessoas. Isto é a fonte de toda maldade! No dia em que o homem entender que Deus é nosso pai e nós somos irmãos, viveremos o Reino sonhado por Jesus.