• 1.png
  • 3.png
  • 4.png
  • 5.png
  • 6.png
  • 7.png
  • 8.png
  • pe2.png



Setor Juventude


Plano Diocesano de Pastoral 2016/2020

 

   Em âmbito nacional da CNBB, temos a Pastoral Juvenil, espaço que articula, convoca e propõe orientações pra a Evangelização da juventude, respeitando o protagonismo juvenil, a diversidade dos carismas, a organização e a espiritualidade para a unidade das forças conforme as metas e prioridades do documento 85 "Evangelização da Juventude", das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil e do Documento de Aparecida.

    Em âmbito diocesano, temos o Setor Juventude, espaço de comunhão e participação para unir e articular todos os segmentos juvenis diocesanos num trabalho conjunto. Sua missão é favorecer a integração e o diálogo, e propor diretrizes comuns para a evangelização, considerando as necessidades de cada realidade diocesana e as especificidades de cada segmento juvenil. Importa buscar a unidade, respeitando as diferenças.

    O Setor Juventude compõe-se de experiências de evangelização juvenil existentes na Diocese: Pastorais da Juventude, Movimentos Eclesiais, Novas comunidades, Congregações Religiosas que trabalham com juventude, Catequese Crismal, Serviço de Animação Vocacional, Acólitos, Pastoral da Educação, Pastoral Familiar e outros segmentos envolvidos na evangelização da juventude.

 

Por que criar um Setor Diocesano da Juventude?

 

  Quando os diversos segmentos de juventude agem por si mesmos, é costume suscitar hostilidades entre eles, resistências e críticas mútuas por suas atividades e jeito de evangelizar, sua organização e espiritualidade...

 

    A criação do Setor Juventude visa favorecer o diálogo entre os segmentos, com reuniões e reflexões conjuntas, com algumas atividades assumidas em conjunto, em especial os eventos com caráter de massa.

 

   O Setor não pode substituir a organização própria de cada segmento, nem unificar a metodologia, espiritualidade, história... Cada experiência de evangelização juvenil, mesmo participando do Setor, mantém sua organização e atividades próprias, com a novidade de projetos e eventos assumidos e realizados coletivamente. A diversidade é uma riqueza e precisa cada vez mais ser conhecida, acolhida e valorizada.

 

Objetivos do Setor:

1. Ser expressão eclesial e social da diversidade juvenil;

2. Fortalecer e ampliar a ação evangelizadora da Igreja;

3. Favorecer a integração e o diálogo entre os segmentos juvenis da diocese;

4.   Propor algumas diretrizes, metas, prioridades e atividades comuns para a evangelização, considerando as necessidades de cada realidade diocesana e as especificidades de cada segmento juvenil.

 

Orientações para que o Setor Juventude:

 

    O bispo, com o apoio do Conselho Diocesano de Pastoral, é o responsável pela convocação dos segmentos juvenis e a articulação do Setor Juventude. O referencial para a evangelização juvenil na diocese convoca, coordena e anima a equipe responsável pela articulação do Setor Juventude, em nome do bispo diocesano.

 

A CNBB sugere passos para a diocese a articular o Setor Juventude:

 

a)  Fazer levantamento dos segmentos juvenis existentes na diocese e das pessoas diretamente responsáveis por cada um deles;

b)  Convocar as lideranças engajadas na evangelização da juventude a contribuir no processo de articulação;

c)  Indicar e liberar pessoas para acompanhar o processo de formação do Setor Juventude até que o próprio grupo defina sua forma e espaços de atuação como tal;

d)  Realizar reuniões e encontros com lideranças que respondem por estes segmentos. Nestas reuniões ou encontros:

 

1.     Criar espaços para que cada segmento apresente sua identidade, metodologia de trabalho, atividades realizadas, opções pedagógico-pastorais, paróquias ou espaços eclesiais onde está presente, jovens envolvidos no trabalho, dificuldades enfrentadas, limites percebidos...

Estes espaços são privilegiados para que os segmentos juvenis se conheçam reciprocamente e superem os preconceitos e estereótipos que nutrem em relação uns aos outros;

 

2.  Propiciar estudo, reflexão e discussão sobre o fenômeno juvenil e sobre as orientações da CNBB para a evangelização com assessoria capacitada para abordar a pluralidade e especificidade da juventude;

 

3.   Possibilitar a socialização e troca de subsídios, material utilizado na formação, participação em eventos promovidos pelos diversos segmentos;

 

4.  Discutir diretrizes e estratégias para superar limites e enfrentar desafios:

 

e)  Definir com o grupo a estrutura e papel do Setor Juventude:

 

1.  Qual será a composição?

 

2.  Quantos representantes por segmento juvenil?

 

3.  Que organograma é mais adequado à realidade diocesana?

 

4.  Quem coordena?

 

5.  Por quanto tempo?

 

6.  Qual a função de cada representante no Setor?

 

7.  Que metas e atividades podem ser assumidas em comum?

 

8.  Qual seria um calendário mínimo de reuniões e atividades?

 

f)  Discutir os aspectos práticos do trabalho do Setor:

 

1.  Infra-estrutura: local, telefone, computador...?

 

2. Pessoas de referência no Setor e para cada organização de juventude?

 

3. Recursos financeiros para material didático, reuniões, outras ações?

 

g)   Definir a equipe de assessoria e acompanhamento do Setor, com representantes indicados pelos diferentes segmentos juvenis.

 

Princípios fundamentais para a organização do Setor:

 

1.   Motivação: a busca de diálogo com os diversos segmentos; não impor a criação do Setor. Tal atitude abre mais possibilidades de sucesso na articulação e integração entre eles.

 

2.   Abertura à diferença: pluralismo de carismas e metodologias, vivido na unidade, fortalece a ação evangelizadora. As diferenças entre as experiências contribuem para o crescimento de cada uma.

 

3.  Respeito ao específico de cada experiência: os carismas próprios de cada experiência devem ser respeitados e considerados em suas riquezas e limites.

 

4. Postura dialógica em todo o processo: para favorecer a comunhão e a unidade, o Setor deve constituir-se como espaço de diálogo entre jovens e adultos, leigos e clero, pastorais e movimentos.

 

5.    Protagonismo juvenil: o formato do Setor Juventude é dado pelos/as jovens, como protagonistas, em sua experiência evangelizadora e suas necessidades próprias na realidade diocesana.

 

6.  Eclesiologia de comunhão e participação: a participação no Setor deve fortalecer o sentido de pertença eclesial e co-responsabilidade sobre a missão evangelizadora da Igreja. Se os jovens se reconhecem como fundamentais dentro desse processo, sentem-se motivados a ser protagonistas na Igreja e no mundo.

 

SEGMENTOS JUVENIS PRESENTES NA DIOCESE

 

1. Pastoral da Juventude

2. Pastoral da Educação

3. Grupos de Jovens Paroquiais

4. Ministério Jovem da RCC

5. Grupo de Oração Universitário (GOU)

6. Juventude Cursilista

7. Juventude Missionária

8. Juventude Franciscana

9. Catequese de Crisma

10. Serviço de Animação Vocacional

11. Acólitos

 

 

Pe. Celso Ferreira de Jesus

Rua Carlos Luz, 672 - Cx.P. 13 - Araputanga MT - CEP: 78260-000

Tel:  (65)3261-1167

e-mail: setorjuventude@diocesedecaceres.com.br

Artigos
Nenhum Evento Cadastrado.
Eventos
Nenhum Evento Cadastrado.
Donwloads
Nenhum Arquivo Cadastrado.