As estrelas da NBA encontram o Papa: contra o racismo

Um dream team  de basquetebol que atravessou o oceano de propósito para dizer - com o Papa Francisco - "não ao racismo". O encontro teve lugar na manhã desta segunda-feira, na biblioteca privada do Palácio Apostólico. E se saem em campo as estrelas da NBA do calibre de Sterling Brown de Rockets de Houston, Kyle Korver de Milwaukee Bucks, Anthony Tolliver do Memphis Grizzlies, Jonathan Isaac e Marco Belinelli (também líder da equipe nacional italiana) do San Antonio Spurs, o espectáculo está assegurado. Especialmente se, para além dos esquemas do basquetebol, estes campeões também colocam em campo estratégias para que todas as formas de racismo sejam finalmente derrotadas.

E este é um compromisso que a Associação Nacional de jogadores de basquetebol (Nbpa) - a Associação que representa todos os jogadores profissionais de basquetebol da Associação Nacional de Basquetebol (NBA) nos Estados Unidos da América - leva muito a peito. Tal como evidenciado pela vontade de encontrar Francisco para apresentar pessoalmente os seus esforços, e os dos seus colegas, sobre questões dos direitos sociais. E recebem do Papa palavras de encorajamento.

Precisamente para contar ao Pontífice o seu compromisso concreto pela justiça e a igualdade, realizado de forma mais orgânica, especialmente nos últimos meses - após alguns episódios graves de violência - deram-lhe, além de uma bola e camisetas, símbolos da sua profissão - um livro particularmente significativo, uma verdadeira coleção de imagens, artigos e textos que documentam um verdadeiro trabalho de equipe. Diferentes na origem, história e cultura, os jogadores profissionais de basquetebol nos Estados Unidos estão utilizando, em conjunto, a grande "plataforma" de comunicação oferecida pela fase da NBA para relançar os valores desportivos mais autênticos que, naturalmente, excluem qualquer forma de racismo. Acompanhando os cinco campeões estavam também os gestores da NBA Michele Roberts, Sherrie Deans e Matteo Zuretti, e alguns familiares. A missão da Nbpa, explicaram, é proteger e apoiar os direitos e talentos dos jogadores, dando-lhes voz tanto em questões sociais como desportivas. E recordaram que não é de hoje, seja individual que coletivamente, que muitos jogadores de basquetebol iniciaram projetos de solidariedade e apoiam abertamente movimentos de justiça social e contra o racismo. Até ao ponto de suspender as partidas.

 
Indique a um amigo
 
 
 

Copyright © Diocese de São Luiz de Cáceres. Todos os direitos reservados